BUSCAR
Twitter
Twitter
Instagram
Facebook
 
HAROLDO DE CAMPOS C. R. HAROLDO DE CAMPOS ACERVO HAROLDO DE CAMPOS CATÁLOGO DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO REVISTA CIRCULADÔ REVISTA CTRL+ VERSO COOPERATIVA DA INVENÇÃO POESIA EXPANDIDA
BUSCAR
Twitter
Facebook

Haroldo de Campos. A EDUCAÇÃO DOS CINCOS SENTIDOS. São Paulo: Editora Iluminuras, 2013.

 

A EDUCAÇÃO DO SEXTO SENTIDO: POESIA E FILOSOFIA EM HAROLDO DE CAMPOS

Nos poemas de A educação dos cinco sentidos, Haroldo de Campos procura definir um sexto sentido poético, construído por meio dos cinco comuns. O poeta experimenta uma percepção filosófica liminar, capaz de nos tornar conscientes da existência de um sexto sentido superior, entre “visibilia/ invisibilia/ o ouvível/ o inaudito”. Trabalhar com a linguagem dos cinco sentidos para chegar ao sexto, o da poiesis, é “trabalho tão raro”, purgatório “enter / inter”, relâmpago do “salto tigrino”. A linguagem procurada pelo poeta para tal aprendizagem metafísica, matéria cabralina, é “ar/ lapidado”, “trabalho diáfano mas que/ se faz (perfaz) com os cinco/ sentidos”. O percurso é uma viagem e uma formação, uma procura e defesa da poesia como forma de conhecimento. É batalha e deslumbramento. Na forma de uma alegoria ou parábola, o poeta sai em viagem quixotesca, à procura de um entendimento do mundo pela observação e pela linguagem.


Kenneth David Jackson
Yale University


O poema haroldiano, em A educação dos cinco sentidos, alterna-se às vezes entre dois polos expressivos que não são, quando ao mais, específicos deste livro: aglutinação verbal, “neobarroca” (...) e a mais rigorosa condensação expressiva, na qual a economia verbal (...) se torna uma eficaz e personalíssima versão do “menos é mais” definidor da posteridade malllarmeana. Tal alternância, aparentemente paradoxal, entre a aglutinação e o despojamento (...) opera, entretanto, em um território poético no qual não há contradição possível, pois ambas atuam como formas complementares do realce da materialidade e da concreção da linguagem. Ocorre aqui, de fato, uma espécie de concreção diamantina do profuso, aprendida, sem dúvida, com os grandes mestres do Barroco: uma concreção não menos intensa que a dos poemas definidos por uma “medularidade” e uma economia verbal extremas.

 

Andrés Sánchez Robayna

 

                                                                                                                                                                                                                                                     


CASA DAS ROSAS
ESPAÇO HAROLDO DE CAMPOS DE POESIA E LITERATURA
+55 (11) 3285.6986 | 3288.9447 contato@casadasrosas.org.br
Av. Paulista, 37 Bela Vista CEP 01311-902 São Paulo Brasil
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO MUSEU
Terça-feira a sábado, das 10 às 22h
Domingos e Feriados, das 10 às 18h.
(Passível de alteração, de acordo com a programação).
Governo do Estado de São Paulo
TRABALHE CONOSCO COMPRAS E CONTRATAÇÕES RELATÓRICO DE ATIVIDADES CONTRATO E GESTÃO SECRETARIA DA CULTURA OUVIDORIA